O ser humano deve ser o protagonista da própria vida alerta Prof. Cléia Zanatta Clavery Guarnido Duarte – UCP.

Por Fábio Machado – Assessoria de Comunicação

De maneira leve, bem-humorada a professora Cléia apresentou as características do ser humano e suas diversas nuances a partir da logoterapia e o sentido da vida de Vitor Frankl. Contextualizando as múltiplas maneiras que o ser humano é estimulado hoje seja pelas redes sociais e também pelas múltiplas mídias, é comum o homem sentir-se cansado e apático, surgindo assim a necessidade de motivação. Para a professora Cléia Zanatta o que o ser humano necessita é de vida de pulsão, ou seja, de vivência do protagonismo na construção de sua própria história deixando assim sua marca.

A professora realçou o papel da ciência que não esgota todo o conhecimento do ser humano, existe ainda muito mistério que outras áreas do conhecimento exploram; como por exemplo a filosofia e a teologia, dessa forma a ciência é uma contribuição para que o ser humano possa encontrar sentido existencial e compreender a multiplicidade interior e sua essência.
A cobertura completa do 1º Congresso Brasileiro de Humanismo Solidário na Ciência você conferir em nossas redes sociais, seja em nossa Fanpage ou no Instagram.